Café...tudo de bom!

4.1.11

Polímeros eletrônicos ajudam na seleção do café...



De acordo com o autor da tese de doutorado,químico Rafael Di Falco Cossiello, que pesquisou o tema"Eficiência de luz e de corrente elétrica de polímeros eletrônicos" em tese de doutorado defendida no Instituto de Química (IQ) da Unicamp. os polímeros condutores podem ser empregados em uma gama enorme de equipamentos. Um deles é a língua eletrônica, dispositivo que vem sendo desenvolvido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Nesse caso, os polímeros eletrônicos atuam associados a outros sensores. Juntos, são capazes de identificar, por exemplo, se determinada amostra de café foi plantada no Brasil, se possui algum tipo de impureza e se o processo de torrefação foi prolongado.

Burocracia fez projeto não vingar no Brasil

A despeito de ser altamente promissora, a tecnologia pode não trazer ganhos significativos ao Brasil, em razão de o país ter saído atrás nas pesquisas. “O Brasil teve uma boa oportunidade de entrar nesse jogo em há cerca de dois anos, quando a Universidade de Cambridge, onde foi descoberta a aplicação para os polímeros eletrônicos, cogitou instalar por aqui um centro de pesquisa e desenvolvimento.

Por razões burocráticas, isso não aconteceu. Atualmente, o país está numa situação delicada, visto que outras nações avançaram nas investigações. Se não corrigirmos essa trajetória, a tendência é que nos tornemos meros consumidores dessa tecnologia”, afirma Rafael.



bjs,soninha
Postar um comentário