Café...tudo de bom!

1.10.11

Crepúsculo do Inverno



CREPÚSCULO DO INVERNO

Zeus escuros de metal
Nas vermelhas revoadas
passam gralhas esfaimadas
sobre um parque fantasmal

Rompe um raio glacial
ante pragas infernais
giram gralhas vesperais;
sete pousam no total.

Na carniça desigual,
bicos ceifam em segredo.
Casa mudas metem medo;
brilha a sala teatral.

Ponte, igrejas, hospital
hórridos na luz exangue.
Linhos grávidos de sangue
incham velas no canal.

Georg Trakl


Trad. Marco Lucchesi


Georg Trakl nasceu a 3 de fevereiro de 1887 em Salzburgo, cidade no noroeste da Áustria. O estranho comportamento de sua mãe e a morte prematura do pai quando ainda era muito jovem acabou lhe causando grandes problemas emocionais, além de ter que sustentar a família (mãe / irmã) com seus esforços após o falecimento de seu pai. Sabe-se que desde a adolescência o poeta consumia ópio, veronal e cocaína. 
Teve uma relação incestuosa com sua irmã, e pelo que se sabe sobre a vida de Trakl, talvez tenha sido seu grande amor. Suas cartas foram destruídas, sendo impossível saber algo além. Somente em seus poemas teve certo alívio, remontando-os por diversas vezes, porém sempre tendo em mente suas definições.  
Durante a Primeira Guerra Mundial foi oficial farmacêutico, o que abalou profundamente seu já debilitado espírito. Suicidou-se a 3 de Novembro de 1914, na Cracóvia, quando tomou uma dose violenta de cocaína, sofrendo uma parada cardíaca logo em seguida. Trakl tinha apenas 27 anos. 
A poesia de Georg Trakl, assim como a de grande parte dos expressionistas, é marcada por profunda angústia, melancolia e desespero humano, priorizando o mundo interior em oposição ao exterior. Assim sendo, uma poesia extremamente subjetiva. Outro aspecto marcante de sua poesia é seu diálogo contante com o simbolismo francês, em especial Arthur Rimbaud e Charles Baudelaire. Atualmente sua obra goza de grande fama e prestígio internacional, sendo considerado por muitos críticos o maior dos poetas expressionistas
Fonte: Georg Trakl 
bjs 

Postar um comentário