Café...tudo de bom!

2.6.15

A Mulher e Sua Autoestima

Autoestima é o sentimento que cada pessoa desenvolve sobre si mesmo. É o respeito e a confiança em nós mesmos. O desenvolvimento de autoestima é favorecido pelos pais, professores e outras pessoas que influem sobre a criança e a (o) adolescente no trato diário, mediante o reconhecimento de seus sucessos, habilidades, qualidades e o bom manuseio de seus erros ou falhas. 

Educada em outras épocas para viver em casa e cuidar de filhos, para ter uma baixa autoestima, a mulher de ontem muitas vezes se refugiava em gravidezes que não desejava para possuir um valor de aceitação. Esta situação era reforçada por sua vez pela atitude do homem, que também deveria ter muitos filhos para demonstrar sua virilidade. No mundo atual devemos desenvolver outros valores como a igualdade de direitos e oportunidades que devem ter homem e mulher, de preparar-se, estudar, trabalhar, pensar e buscar seu futuro. 

Estes devem ser os elementos fundamentais para se conseguir autoestima positiva. A construção de sua imagem corporal, autoimagem, é fundamental, por sua vez, na expressão de sua sexualidade. A sensação de que o seu corpo já não é desejado pode inibir a resposta sexual ou até mesmo a vontade de ter sexo. Na base de muitos transtornos sexuais de mulheres, encontramos problemas relacionais vinculados à perturbação de autoimagem. 

A disfunção orgástica (dificuldades em ter o orgasmo) e a diminuição do desejo sexual, muitas vezes estão associadas a déficits de autoimagem. Autoestima, seja qual for o nível, é uma experiência íntima, é o que penso e sinto sobre mim mesmo, não o que o outro pensa e sente sobre mim, como afirma Nathaniel Branden, em seu livro “Autoestima – Como aprender a gostar de si mesmo” 

Evidentemente, a autoestima pode se encontrar debilitada em consequência de outros fatores, como depressão, acontecimentos vitais negativos (morte de pessoa significativa, desemprego, etc.), aparecimento da menopausa, histerectomia, mastectomia, doença física debilitante, etc. Para desenvolver altos níveis de autoestima, segurança e confiança em si mesmo são necessárias demonstrações de afeto, de segurança e reconhecimento das potencialidades, dos esforços e do respeito. 

Uma pessoa maltratada tem grandes dificuldades para dar e receber afeto. O maltrato deixa cicatrizes e feridas irreversíveis, que marcam para sempre a personalidade. O maltrato não são apenas golpes físicos,mas também são os insultos verbais, as humilhações, as atitudes negativas, o descaso.. De maneira sucinta, podemos dizer que na construção de autoestima é fundamental aprender a arte de amar, de se cuidar, inclusive de sua beleza (principalmente, aos seus olhos). Linda por fora e por dentro, irresistível sempre! Entendendo que a beleza não traduz em ser prisioneira de uma “ditadura da estética”. Lembre-se também que “um sorriso é o seu melhor cosmético, pinte-o todos os dias em seu rosto!”.

Postar um comentário