Café...tudo de bom!

11.1.16

Uma ilha à flor d’água

*Lúcio Costa*
"Arquiteto brasileiro nascido na França, consagrou-se como o criador do plano-piloto de Brasília (1957). Líder do movimento de implantação da arquitetura moderna no Brasil na década de 1930, realizou importantes obras no Rio de Janeiro, entre as quais o conjunto de edifícios do parque Guinle e o projeto do Ministério da Educação e Saúde Pública, que dividiu com os arquitetos Affonso Eduardo Reidy e Oscar Niemeyer. Publicou vários ensaios, entre eles “Razões da nova arquitetura” (1930) e “O arquiteto e a sociedade contemporânea” (1952), além da autobiografiaLucio Costa: registro de uma vivência (1985), seu único livro, que considerava “uma compilação de sentido autobiográfico”."
A viagem que Lúcio Costa fez à Europa em 1926 era, segundo ele próprio, menos para estudo do que “por motivos sentimentais insolúveis”. Sua descrição da ilha do Maio, nesta carta, impressiona pelos detalhes de beleza geográfica e pela prosa atraente.

Bordo do Bagé, 6 de outubro de 1926

*Alina Ferreira da Costa*
"Nascida em Manaus, casou-se com o engenheiro naval Joaquim Ribeiro da Costa, com quem teve seis filhos. Acompanhou o marido nas viagens à Europa, onde ele trabalhou na renovação da esquadra brasileira, no início do século XX. Num desses períodos de permanência no continente europeu, nasceu o quinto filho do casal, o futuro arquiteto Lúcio Costa."

Querida mãe,

Quando embarquei no Bagé corri ao comissário a ver se havia alguma carta para mim. Entretanto de casa nada encontrei, nada recebi; fiquei desapontado. Naturalmen­te não lhes passou pela mente aproveitar esse meio de dar-me notícias – suas, mamãe, de tudo e de todos. Agora só em Paris. Já mandei três cartas, uma da Bahia e duas de Recife; não sei se receberam. É triste escrever assim, quase sem esperança de uma respos­ta; é tudo tão incerto. É como um grito sem eco. Assim que chegar a Lisboa lançarei esta ao correio; vou escrever também de bordo ao papai e às meninas.

Os dias aqui são todos iguais. Quase ninguém, nenhuma animação e muita intriga. O dia de hoje foi mais movimentado; quando subi ao convés de manhã avistava-se longe — infinitamente longe, no horizonte — uma sombra, uma silhueta suave e esbatida: terra. Uma ilha. Estamos na altura de São Vicente, manhã clara, vento forte.

Abriguei-me a “meia-nau”, como eles chamam aqui, estirei-me sobre a cadeira, mergulhei num romance. Quase meio dia chamaram-me; era a senhora Moniz Aragão, senhora muito distinta: “Já viu como estamos perto?” Levantei-me entre atencioso e aborrecido. Fiquei encantado! Que deliciosa impressão, que surpresa. Tinha um quadro diante dos olhos. Era a Ilha do Maio que se estirava comprida, esguia, espreguiçando-se sobre o horizonte.

É uma ilha curiosa. Nasce à flor d’água numa linha baixa, chata de terra que se prolonga como uma língua comprida, muito comprida, subindo devagar numa rampa suave, imperceptível quase. Quebra ligeiramente, desenha um cume. Depois desce um pouco. Ondula, mantém-se um momento indecisa e de novo sobe; sobe mais, sobe bastante até que, marcado e preciso, acentua-se um pico. Aí desce bruscamente, espalha-se numa planície verde claro, e termina numa praia amarela banhada de sol.

Lugar ermo, ilha deserta, nua, sem vegetação. Lisa, macia, aveludada. De um veludo verde sujo, gasto, pálido. O céu muito claro estava todo malhado de nuvens esbatidas, imprecisas, nuvens que se esgarçavam. E o mar muito crespo, de um azul muito escuro, todo malhado de sombras e de carneiros brancos de espuma.

Por fim avistamos uma última ilha, já era tarde, aproximava-se o crepúsculo. Era Boa Vista, passamos longe. Lembra a primeira, as mesmas elevações fortes, bruscas, ligadas entre si pelas mesmas baixadas extensas.

Alto ainda, nuvens escuras escondiam o Sol, e a luz por trás se derramava, tingindo a atmosfera de um amarelo suave, lavado, transparente. Sentia-se no ar o alvoroço co­movido que precede os grandes acontecimentos. Tinha-se a impressão que as nuvens todas se arrumavam no céu, distribuíam-se no espaço para a cerimônia imponente e divina do ocaso. Tudo se doura. Desce aos poucos o Sol. E o ouro aos poucos sobre tudo se espalha.

Lucio Costa. Registro de uma vivência. São Paulo: Empresa das Artes, 1995, p. 35

Paz a todos!
Postar um comentário