Café...tudo de bom!

15.6.11

Efemeridade



Sem imaginar que dias viriam em que ela se olharia no espelho e não se veria mais, daquela maneira, movida pela vaidade feminina, orgulhava-se de ter um corpo escultural, cabelos negros e sedosos que desciam como cascata sobre os seus ombros, e um rosto divinamente belo como se tivesse sido  talhado por um grande artista plástico.

Inda criança, ela jamais imaginara que alguma coisa pudesse ocorrer truncando os planos que havia traçado para a usa vida  - Seria modelo! Este era o seu sonho principal, os outros não tinham tanta importância, assim pensava.

Estudar, casar e ter filhos não era muito importante, ela queria aproveitar enquanto era jovem e bela para conhecer o mundo e novas pessoas, através da profissão que escolhera.

Tanto se dedicou que, desde novinha, começou a transitar pelas passarelas atingindo o auge do sucesso aos vinte e dois anos,quando, admirando-se frente ao espelho,este lhe revelava todo o esplendor da sua beleza.

Desperta do seu devaneio com batidas na porta; era a camareira avisando-lhe que a esperavam no saguão do hotel para a próxima viagem.

Ansiosa por conhecer novos lugares, abriu a porta para que o empregado do hotel pegasse as malas enquanto a camareira desejava-lhe boa sorte estendendo-lhe um caderninho e solicitando-lhe um autógrafo. Envaidecida ela rabiscou o seu nome na folha em branco, em seguida o beijou a fim de deixar a marca dos seus lábios carmins, como prova de carinho a quem lhe servira.

Desce através do elevador, encontra-se com os companheiros de turnée entram no carro e seguem para o aeroporto. Transitaram poucos metros quando um carro de mudanças desgovernado choca-se brutalmente sobre eles, causando o maior estrago justamente no lado em que ela se encontrava.

Gerado o tumulto, transeuntes acionaram uma ambulância que a conduziu ao hospital mais próximo onde ela deu entrada ainda com vida, vindo a falecer após demorada cirurgia em que renomados cirurgiões lutaram bravamente para mantê-la viva porém tiveram que se render ao inevitável.

Na espiritualidade, as portas se abriram dando passagem a mais uma jovem que havia desperdiçado os seus dias envolta na ilusão da efêmera beleza física.

Ali,ela aprenderia que os verdadeiros valores são os valores imperecíveis...

Alguns meses depois a sua mãe recebe através do correio uma folha de papel com o seu nome e a marca dos seus lábios tingidos pelo batom que ela tanto gostava...

A vida continuou...nos dois planos!

Blogagem Coletiva: BCFV
Tema: JUVENTUDE


bjs,soninha


Postar um comentário