Café...tudo de bom!

22.12.12

A OBRA DE BENITO QUINQUELA MARTIN

Jarrón


Barcas (Plato)


Joven en Isla Maciel - 1914


Brasil - 1920.


Lago da gloria - 1920.


Playa de Mar del Plata.


Paisaje de Córdoba.


A pleno Sol.


A pleno sol en el puerto



Amanecer con escarcha - 1963


Amanecer en La Boca - 1953


Amanecer en Primavera - 1950.


Amanecer en Primavera - 1961.


Amanecer rosado - 1971


Mañana de sol - 1966.


Luz de mañana - 1940.


Lluvia espiritual.


La hora azul.


Llegada de los veleros - 1955.


Llegada de veleros - 1957.



Llegando al Riachuelo 


Isla Maciel - 1916


Invierno - 1950.


Incendio en La Boca.


Quinquela Martín en su estudio
Nasceu em Buenos Aires em 17 de março de 1890 falecendo em 28 de janeiro de 1977; pintor e muralista argentino. Foi um dos "Pintores da Boca" (um dos bairros de sua cidade natal). Com um estilo naturalista, o tema de seu trabalho gira principalmente em torno de vasos e porta de trabalho em geral. Ele foi considerado o pintor do riacho por seu tratamento das questões portuárias.

Abandonada logo após o nascimento, permaneceu em um orfanato, até que, aos seis anos, o casamento de Manuel Molina Justina Chinchella e decidiu adotá-lo. Ele começou seu treinamento em uma escola de educação em que apenas dois cursos permaneceu desde então, com apenas nove anos, teve que começar a trabalhar no carvão paterna.

A partir daí, e até que ele tinha quinze anos, era um estivador La Boca, o trabalho dele era para subir para os barcos para encher os sacos vazios de carvão e de carga em caminhões. Esta actividade é concluída com a participação ativa na política de La Boca. Furar cartazes e folhetos distribuídos em favor do Dr. Alfredo Palacios.

Em 1907 ele se juntou a uma academia de desenho modesto em seu bairro para estudar pintura com Alfredo Lazzari. Desde então, dedicou-se à pintura.Met Juan de Dios Filiberto, um estudante de música com quem manteve uma estreita amizade. Ele também se reuniu com o então diretor da Academia de Belas Artes, Collivadino Pio, que o ajudou a começar a desenhar retratos e incorporar a cor em suas obras.

Em 1918 ele decidiu mudar seu nome (Benito Juan Martín) por Quinquela de eliminar o nome de João e adaptando o nome de seu pai adotivo para a pronúncia italiana. Com seu novo nome, em 4 de novembro, exibiu suas pinturas na primeira exposição individual na Galeria Witcomb. O show foi um sucesso e os críticos falaram do surgimento de um pintor original, com a mensagem de estilo, técnica e próprio.

A partir do momento em que começaram as suas viagens mundo. Em 1921, ele fez sua primeira exposição internacional no Rio de Janeiro. Sua primeira viagem para a Europa foi feita dois anos depois, especificamente Madrid. Em 1925, ele chegou a Paris, dois anos depois para Nova York, e em 1929 para a Itália, onde Mussolini fez seu pintor favorito ", porque ele sabe retratar o trabalho." Todas essas viagens o separava de seus pais, portanto, rejeitou um convite ao Japão para ficar com eles no bairro argentina de La Boca.

Bem quisto na vizinhança, agiu como um patrono das artes e fundou o Café Tortoni para que os artistas apresentam suas obras. Em 1933, ele comprou mais terras doadas ao Estado para construir instituições para a expansão do trabalho de arte e social. Em uma dessas áreas construídas Escola Pedro de Mendoza Museum, agora o Museu de Belas Artes de La Boca, que uma vez construído foi decorado por ele. Entre seus melhores trabalhos são Estaleiro Tempestade (Luxemburgo Museum), La Boca Bridge(St. James Palace, em Londres) e Crepúsculo no quintal (Museo de Bellas Artes de La Boca)


Postar um comentário